Soprar as velinhas, mas mantendo acesa a chama da nossa essência

Adriana Simões e Marcelo Sebastião contam suas experiências com o Jeito Porto e como fazem para cultivá-lo.

Ah, o Jeito Porto de ser…

Mais do que uma coleção de boas práticas, o Jeito Porto é uma postura, um comportamento que se expressa no dia a dia. Aquilo que torna você, que trabalha na Porto, diferente dos colegas que atuam em outras empresas.

Para tentar mostrar como é esse jeito tão particular de se colocar no mundo, fomos atrás de duas pessoas que são reconhecidas como Porto raiz, #portolovers, Porto de coração. E mais, que escreveram sua história de vida em paralelo à da Companhia.

Adriana Simões, diretora jurídica de Prevenção a Fraudes e Segurança Corporativa (arquivo pessoal).

 

 

Adriana Simões entrou na Porto em 1996, durante a faculdade. Quando passou a ocupar o cargo de auxiliar administrativa na área jurídica, seu departamento contava com 20 colaboradores. Atualmente, ela é diretora jurídica de Prevenção a Fraudes e Segurança Corporativa, e nos fala com orgulho do crescimento da área, que soma quase 200 pessoas. ˝Tudo o que eu fiz na vida foi dentro da Porto. Me formei, casei, tive filhos. É meu verdadeiro porto seguro˝, relata.

 

 

Marcelo Sebastião, diretor de Serviços da Porto Seguro (arquivo).

 

Já Marcelo Sebastião, atual diretor de Serviços, decidiu que trabalharia na Porto aos doze anos, quando acompanhava seu pai, motorista de ônibus, em viagens que passavam em frente ao prédio da Companhia na Avenida Rio Branco (centro de São Paulo). “Bem cedo, eu via os office boys da Porto esperando para iniciar o trabalho. Estavam sempre arrumados, bem vestidos. Eu dizia: olha pai, um dia quero trabalhar nessa empresa. Me trazia uma impressão de muito respeito aos colaboradores”, conta. De lá para cá, já são 29 anos de casa.

 

Um jeito simples

“A Porto é uma empresa que põe a mão na massa, tem um olhar para a inovação, e estimula todos que trabalham aqui a fazer o mesmo”, descreve Adriana. Ainda assim, a responsabilidade pelo crescimento pessoal está nas mãos de cada colaborador. “Acredito que esse seja o Jeito Porto de ser: permitir e contribuir para que cada um crie sua própria trajetória. Nós evoluímos e a empresa também”, afirma.

Marcelo nos conta que teve seu primeiro contato com a cultura da Porto quando começou a trabalhar numa corretora de seguros. “Entrei como portador e, quando ia até a Porto, me sentia bem recebido”.

Era um jeito simples, mas disposto a resolver os problemas. Mais tarde, pude perceber o quanto as pessoas se ajudavam
Marcelo Sebastião

Genuíno interesse

Sabemos que o atendimento é uma característica muito forte da Porto. E, para atender bem, não há cartilha. Adriana resume de forma simples: ˝basta atender como nós gostaríamos de ser atendidos˝. Isso pressupõe entender a fundo a necessidade do cliente e ter um interesse genuíno pela questão.

Está na essência do nosso atendimento essa empatia, essa relação de parceria para resolver os problemas
Adriana Simões

E temos provas de que, quando o atendimento é bom, até as situações mais difíceis podem apresentar desfechos positivos. Você duvida? Então veja essa história contada por Adriana com muito bom humor: “Nossa área é responsável pela cobrança de sinistros causados por terceiros aos nossos segurados. Já houve situações em que fizemos a cobrança e, além do terceiro pagar o prejuízo que causou, ainda perguntou como poderia se tornar cliente”.

Marcelo também traz um exemplo que viveu e que, para ele, consolida o Jeito Porto em diversos aspectos. “Quando a Porto adquiriu a Itaú Auto e Residência, nossa cultura nos possibilitou receber o novo time com desprendimento para saber ouvir, coragem para lidar com conflitos que nos ajudaram a crescer e com  compreensão das necessidades de ambos os lados para assumir processos diferentes e incorporar o melhor para o negócio”, conta.

Mantendo a chama acesa

E quem são os principais responsáveis por manter acesa a chama que aquece os corações de quem se relaciona com a Porto? Acertou se disse que somos nós mesmos. Para Adriana, é fundamental que o colaborador tenha identidade com a cultura da empresa e adquira, com a prática do dia a dia, a observação e a troca com colegas e lideranças, a segurança que torna natural o atendimento da Porto.

E mais: fazer o melhor, ter coragem e criatividade para inovar, e estar sempre pensando fora da caixa são elementos essenciais para a vitalidade, tanto da empresa como do colaborador.

Ainda que você realize a mesma tarefa todos os dias, existe a oportunidade de fazer diferente e trazer novos resultados
Adriana Simões

Marcelo concorda, e completa: ˝Para que a gente mantenha a chama viva, não podemos tirar um conjunto de comportamentos da gaveta só quando precisamos, como bem observou o Roberto Santos, numa entrevista˝.

Para o futuro e além 

Um dos aspectos mais bacanas do Jeito Porto é perceber o quanto ele se relaciona ao nosso sonho e é fundamental para concretizá-lo. “Se temos o sonho de dobrar o número de clientes, atender e resolver os problemas da melhor maneira nos ajudará a manter os que já temos e a conquistar outros”, afirma ela.

Para Marcelo, chegaremos aonde quisermos sendo cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas, entregando o que elas precisam sem descuidar da nossa essência. “O ser humano necessita de atenção, estímulo para a coragem, desprendimento e atitudes positivas”, concluiu.

Comentários

{{comment.parent.comment_author}}
{{comment.parent.comment_date}}
{{comment.parent.comment_content}}
Comentar
{{children.comment_author}}
{{children.comment_date}}
{{children.comment_content}}
Comentar
Ver mais comentários

Matérias anteriores

Não perca a oportunidade de se inscrever no Porto Voluntário!
Saiba mais sobre o programa de diversidade e inclusão da Porto.
Parceria entre Instituto Porto Seguro e Renova Ecopeças tem final feliz.