Cuidando da cabeça: saúde mental é nossa prioridade

Conheça as novas ações que compõem o Programa de Saúde Integral

Se há algo que tem sido colocado à prova no último ano é a nossa saúde mental, não é mesmo? Diante do prolongamento da pandemia de Covid-19, tornou-se ainda mais fundamental falar sobre o tema e pensar em iniciativas que contemplem as necessidades impostas por esse momento. Afinal, a saúde mental é um aspecto importantíssimo para que possamos nos manter em equilíbrio e garantir nosso bem-estar.

E foi isso que a Porto fez. Afinal, somos e queremos ser cada vez mais um porto seguro para nossos colaboradores e suas famílias.

Programa de Saúde Integral

Andreia Oliveira, coordenadora de Qualidade de Vida e Serviço Social (arquivo pessoal).

Em 2017, a Porto implantou uma de suas primeiras iniciativas de saúde mental, o Programa de Gerenciamento de Estresse. Mas, com o início da pandemia, veio a necessidade de ir além. “Em abril de 2020, firmamos a parceria com o Psicologia Viva para as sessões de psicoterapia gratuita, sem precisar de pedido médico e sem impacto no plano de saúde”, conta Andreia Oliveira, coordenadora de Qualidade de Vida e Serviço Social.  

O Programa de Saúde Integral, lançado em dezembro do ano passado, trouxe o tema da saúde mental como um de seus três pilares, reforçando, assim, sua importância e abrindo novas possibilidades de atendimento. E não podemos esquecer dos canais do Serviço Social, sempre abertos às necessidades dos colaboradores. 


Relaxamento, desconexão e acolhimento

 


Em 2021, foram pensadas novas iniciativas em três frentes dentro do pilar de Saúde Mental: relaxamento, desconexão e acolhimento. “Para auxiliar no relaxamento, passamos a oferecer um programa gratuito para os colaboradores de meditação às segundas-feiras, musicoterapia às quartas e prática de yoga às sextas”, explica Andreia.

“Entre as ações de desconexão, pensamos na extensão do horário de almoço em quinze minutos, um período semanal sem reuniões – às quartas-feiras de manhã – para que o colaborador possa organizar melhor suas demandas, e na recomendação de que as reuniões tenham a duração, se possível, de até 45 minutos”, coloca. 

“Há também boas práticas. Por exemplo, pensar se uma reunião precisa mesmo ser agendada, se outra forma de comunicação não seria mais eficaz, além da recomendação de não enviar e-mails depois das 18h30 e aos finais de semana”, completa Andreia.

Já na frente de acolhimento estão os atendimentos de psicoterapia, da área de Serviço Social e do Fique Bem, além das rodas de conversa, sobre as quais falaremos a seguir. 

Olhem com carinho para tudo que disponibilizamos. Procuramos atender o colaborador e sua família de forma integral. É um verdadeiro porto seguro
Andreia Oliveira

Quando a boca fala, o corpo sara

Carolina Neves, colaboradora do Serviço Social (arquivo pessoal).

Carolina Neves, assistente social, conta que as rodas de conversa foram pensadas para representar um cuidado real. “É diferente de quando estamos em espaços presenciais, em que o psicólogo consegue acolher a pessoa. Queríamos oferecer uma iniciativa de cuidado que fosse palpável”, diz. As rodas acontecem mensalmente, em três dias e horários diferentes, com 30 colaboradores em média, e com a intermediação de duas psicólogas do Psicologia Viva.

O primeiro encontro, em abril, tratou da questão da ansiedade. “Imaginamos contar com trinta pessoas, então abrimos essa quantidade de vagas. Só que tivemos 300 inscritos, e decidimos oferecer mais duas turmas, em dias diferentes”, ressalta Carol. As rodas dos meses de maio, junho e julho falaram sobre o luto, o isolamento social de pessoas que vivem sozinhas, e sobre momentos depressivos respectivamente. Para cada uma delas, foram quase 200 colaboradores inscritos. 

“Temos recebido feedbacks muito positivos, relatos de que tem sido muito importante falar sobre temas que vão além do trabalho. As pessoas também estão tendo a oportunidade de se conhecer”, completa. 

As rodas são para todo mundo

Carol é responsável pela fala de abertura das rodas. Na sequência, passa a palavra para as psicólogas que conduzem o bate-papo. Se manifesta somente quem se sente à vontade. “Escutar outras pessoas que estão vivendo situações parecidas com as nossas faz parte do processo de cuidado, traz conforto e aquela sensação de que “não é só comigo, de que não estou sozinho, e de que pertenço a um grupo”, coloca. “As ações são muito potentes, mas precisamos chegar a todos os colaboradores. Assim, quem está precisando de ajuda sabe que pode contar conosco”, reforça Carol. 

As rodas são abertas. Se você não foi sorteado, mande um e-mail para a gente. Sempre haverá um espaço para olhar, acolher e sermos um porto seguro
Carolina Neves

Programa de Saúde Integral: orientação e conforto

Marcelo Teles, colaborador da Controladoria (arquivo pessoal).

Marcelo Teles, colaborador da Controladoria, tem participado de algumas atividades do Programa de Saúde Integral. Ele vivenciou perdas muito significativas e encontrou conforto nas sessões de meditação e musicoterapia, conforme nos conta em seu depoimento:

 “Comecei em maio de 2021. Meu pai faleceu em abril e, depois de duas semanas, faleceu minha mãe. Fiquei muito abalado e minha gestora comentou sobre o Programa de Saúde Integral da Porto, sobre os acompanhamentos, o Fique Bem. Foram duas perdas muito grandes e eu precisava de algumas orientações e também de conforto. Comecei na terapia e vi que tinha outras opções, como meditação e musicoterapia. Gostei muito da meditação, senti meu dia diferente, mais relaxado. Depois participei das sessões de musicoterapia, tem sido a forma de terapia da qual tenho gostado mais. É incrível como essa forma de trabalhar com a música contribui com a parte física. Eu sigo até hoje e indico muito aos colegas. É um programa que traz muitos benefícios ao nosso dia e à nossa vida”. 

Gympass: cuidar do corpo também é necessário!

Como o Nosso Porto já contou aqui, o Gympass vai muito além de oferecer uma rede de academias. A plataforma completa de bem-estar inclui meditação, educação financeira, nutricionista, personal trainer, sessões de terapia, academia e muito mais. 

Marcelo Teles é um dos colaboradores que tem feito uso frequente do Gympass. Ele conta que seus pais sempre o incentivaram a praticar esportes, e que mantém o hábito até hoje, inclusive aos fins de semana. 

“Com o Gympass eu consigo praticar atividades diferentes como pilates, artes marciais, natação, crossfit. É uma forma de relaxar depois de um dia de trabalho. E o Gympass traz a vantagem de escolher, de acordo com o dia e o momento, a atividade que você quer fazer ou a academia mais próxima”. 

Comentários

{{comment.parent.comment_author}}
{{comment.parent.comment_date}}
{{comment.parent.comment_content}}
Comentar
{{children.comment_author}}
{{children.comment_date}}
{{children.comment_content}}
Comentar
Ver mais comentários

Matérias anteriores

Você também faz parte da nossa família Porto. Além do novo benefício para você, familiar, venha saber de mais novidades!
Neste momento, tudo o que nos fizer bem está valendo.
Como colocar a diversidade e a inclusão no dia a dia das empresas?